Maria Barroso e Augusto de Figueiredo em Benilde ou a Virgem Mãe de José Régio - 1947

outra cena da representação de Benilde no Teatro Nacional - 1947

  

Ficha Técnica 
AutoriaJosé Régio
EstreiaTeatro Nacional, Lisboa
Data25 de novembro de 1947
BenildeMaria Barroso (1925-2015)
EduardoAugusto de Figueiredo (1910-1981)

 

Uma peça de José Régio: A polémica estreia de 'Benilde ou a Virgem Mãe' – 1947

 

 

Será Benilde ou a Virgem Mãe uma obra de bom teatro?

 

Cremos que não, porque não provoca a imediata adesão ou o antagonismo emocional que o teatro requer. Os aplausos (e as manifestações de desfavor) de que foi alvo na sua estreia em certo aspeto podem ter sido um equivoco. Pois a maior parte das manifestações de simpatia dirigiu-se não à peça acabada de representar mas ao grande poeta que é José Régio. Como tal eram sobejamente compreensíveis e fundadas. Poucas são as ocasiões que nos são dadas para prestar homenagem a um autor da categoria de José Régio. Qualquer obra sua é sempre valiosa. Originada numa emoção revivida, nunca poderá ser oca ou meramente artificiosa, terá a sua marca e, mais ou menos bem sucedida artisticamente, será autêntica confissão de uma alma. Eis porque foi triste a incompreensão dos poucos que se opuseram ao aplauso devido ao poeta, voz sagrada da revelação das trevas e da luz da alma humana.

 

Os discordantes equivocaram-se quanto ao móbil dos aplausos, supondo que se dirigiam aquela peça e principalmente à tendência «mística» que viam por ela defendida. Foi um «não-apoiado» dirigido a uma ideologia que forçada e arbitrariamente lhe atribuíam e que na peça se não proclamava. Tomando a obra por pretexto de sectarismo esqueceram, tal como muitos dos que a aplaudiram, a peça enquanto peça e o significado mais profundo que ela encerrava. E assim se perdeu de vista, numa superficial apreensão das situações do drama, qual a verdadeira ideia que o animava, qual o cerne mais fundo que ele continha. Pretende-se ver na obra uma apologia mística e nesta interpretação infundada se uniram possivelmente certos entusiastas a certos detratores, reagindo cada partido conforme o respetivo credo.

 

Talvez que uns e outros sentissem mais ou menos lucidamente que uma lacuna qualquer dificilmente detetável impedia, apesar da excelência dos atores, uma total entrega e arrebatamento, ou imediato ódio e recusa por parte do espetador. Faltava o momento de sintonia emocional em adesão ou violenta repulsa que é um dos momentos decisivos do verdadeiro teatro. Este exige satisfação imediata porque para isso ele é representação dramática (gr. δρᾶμα) em presença. E assim é preciso optar por aceitar ou rejeitar o mundo do poeta que neste caso é o mundo tal como o poeta o mostra, segundo a ordem que a sua emoção lhe imprimiu. E essa ordem no teatro tem de ser ordem e não caos de onde muitas ordens poderiam nascer: uma oculta, do autor, e outras dos espetadores. Porque o teatro é lugar de emoção coletiva, ele exige unívoca mensagem.

 

Sempre se procura no teatro uma mensagem decisiva; é isso que José Régio, a quem alguém chamou já o poeta da indecisão, não nos dá nesta sua peça. Seria a «mística» que os neorrealistas pateadores inventaram onde não se encontrava. E é isso que todos lhe acrescentam para suprir a lacuna. Porque em Benilde não há uma tendência imediatamente detetável. A sua decisão última é a indecisão. Se as palavras finais de Eduardo «Há seres que não são deste mundo! Mas este mundo ficaria menor se eles não passassem por cá» podem implicar valorização do misticismo por parte do autor, se a semiconclusão de Eduardo pretende encaminhar a simpatia do público para a protagonista; o certo é que apesar de tudo há na própria peça elementos de destruição, de tal modo que, tal como a peça nos é apresentada, ela implica em última instância o fracasso do misticismo.

 

A tensão dramática resulta unicamente da inclinação do autor para na própria subversão recuperar a beleza da crença mística. Mas para esta arquivivência de Régio, indeciso entre Deus e o Diabo, não há solução libertadora. Refletindo no final sobre a peça, vemos o espírito de Régio pairando sobre a sua criação no angustioso dramatismo da alma que não pode optar, dilacerada na oposição entre ciência e fé, realidade e sonho, crença e descrença, jubilosa exaltação e desespero profundo. Sabemos que a sua grandeza está na vivência profunda dessa perene oscilação. Sabemos também que Régio não podia por isso mesmo negar-nos que uma das faces do mundo de Benilde é patológica e miseravelmente terrena, e que o louco tem uma grande parte de responsabilidade na situação criada – o louco de quem Genoveva afirma que não é tão imbecil como parece; nada disto nos nega Régio, mas ao mesmo tempo compraz-se em negar emocionalmente esta miséria deliciando-se na revelação da beleza poética dos êxtases.

 

É subtil e poeticamente eficiente para quem lê a sua obra poética. Porém Régio esquece que destinou Benilde ao teatro, e que não é só o pathos lírico que nos impressiona no palco. Esquece também que a sua indecisão provoca no público um mal-estar que dificulta a simpatia pelos voos místicos da protagonista e pela subtil tensão emocional que não permite que a repulsa tome a primazia. Nenhum destes sentimentos se define para se sobrepor ao seu contrário, criando assim um mal-estar que esfria a nossa emoção. No teatro vamos procurar a empatia. Régio, mesmo formalmente, na linguagem que usou, teve um cuidado realista que imprime à peça o aspeto de uma ocorrência real sem fazer intervir a informação formativa da mensagem do autor. Há porém uma mensagem, como já dissemos: a indecisão. Paradoxalmente, e como era de esperar, Régio decide-se pela indecisão. Porém talvez o teatro exija uma mensagem mais simples e imediatamente acessível.

 

 

Manuela de Sousa Marques

 

1947, 2009.

 

Mais sobre José Régio

 

José Régio - estreias teatrais

Este site foi dedicado por Manuela de Sousa Marques Pinto dos Santos a todos os estudantes de Literatura atuais e futuros.

Reúne os seus trabalhos de ensaística e o elenco das suas traduções, constituindo a principal referência para o conhecimento da sua vida e da sua obra.

 Maria Manuela de Sousa Marques Pinto dos Santos, 2009, 2015.

 Autorizados e encorajados todos os usos com menção da fonte.